Musimagem Brasil é a nossa associação.

O nome é quase auto-explicativo, mas vale mais algumas linhas.

Aqui, nós, compositores para imagem, lidamos com a criação musical como parte indissociável das imagens que nos são propostas em TV, cinema, publicidade, etc.

Música e imagem se juntam para dar nascimento a algo que nem a música sozinha ou o visual por sí só dão conta: o audiovisual.

A música composta para imagem perde o seu caráter independente (Ars Gratia Artis – arte pela arte.), mas ganha outras dimensões nessa, a nosso ver, vantajosa situação. Por fazermos música para o audiovisual, compomos de uma forma que dificilmente comporíamos e quase certamente, nossa música não teria o mesmo alcance se não fosse feita para imagem.

Sendo um dos três pilares sobre os quais o audiovisual se sustenta (roteiro, direção e música), a música envolve as pessoas com emoções, impressões, sugestões, desafios, perguntas, respostas, enfim; um mundo subliminar extremamente rico que a imagem per si não seria capaz de transmitir.

Mais uma vez o casamento das duas formas de expressão é o grande segredo. Mas tem que ser um bom casamento! É disso que vivemos e no que trabalhamos. Garantir e manter a boa e longeva (mas nem sempre fácil) união entre música e imagem.

Se pensarmos bem, tudo o que vivenciamos no dia à dia tem imagens e sons associados. Sons esses que nem sempre são música, é verdade! Podem ser efeitos, ambientações, diálogos etc.. Isso nos leva a uma ampla discussão sobre os limites do que é música. Vale lembrar que muito da música que escutamos hoje já foi considerado “não música”! Assunto palpitante. falaremos também sobre isso durante debates nessa terceira edição do festival.

Estamos cheios de novidades!
Além dos já tradicionais painéis, discussões, palestras e workshops, concerto dos sócios, com presenças como as de Ivan Lins e Gilson Peranzzetta, teremos:

Inauguração e entrega do Primeiro Prêmio Remo Usai da Musimagem Brasil ao nosso homenageado, o grande Waltel Branco, compositor de muitos sucessos televisivos, cinematográficos e com uma carreira internacional invejável!
A presença da ABRA e DBCA em nossas mesas de debates, enriquecendo nossas visões, criando e propondo novas possibilidades e formas de pensar.

A sempre maravilhosa, querida e esperada parceria com a Orquestra Ouro Preto, tocando as composições para imagem de nossos associados, o repertório de nosso convidado internacional e clássicos do cinema. E, por fim, mas definitivamente, não por último, o nosso convidado internacional, Laurence Rosenthal, compositor estadunidense de grandes sucessos como, Becket (1964), Anastasia (1986), A série de TV jovem indiana Jones (1992), Furia de Titãs (1981) e muitos outros. Agraciado com sete Emmys e indicado para dois Oscars, falará sobre sua carreira, tocará piano e conversará com a platéia. Um privilégio te-lo conosco!

“Uma vez é incidência, duas vezes é coincidência mas três vezes é tendência!”
Que assim seja!